Domingo, 3 de Dezembro de 2006

D.BANCA

 
 


Fernando Marques , Jornalista

Era uma vez uma senhora com artes feiticeiras e muito abastada que se chamava D. Banca. Criatura generosa e simpática, D. Banca emprestava dinheiro a toda a gente, mesmo a quem não queria dinheiro emprestado. Aparecia sorridente na televisão e oferecia paraísos, futuros risonhos, amores eternamente felizes. Andava-se na rua, no metro, nos autocarros, nos comboios, e lá estava a pródiga D. Banca, a bondade em pessoa, a dizer, como Deus, "Pedi e ser-vos-à dado".

O povo do país da D. Banca não cabia em si de contente. Estava habituado às grosserias da D. Austeridade e às vilezas do D. Fisco, que vinham com os seus cavalos negros e levavam quase tudo do pouco que havia. D. Banca não era assim. Era uma alma aberta e piedosa, uma bênção dos céus. E então o povo entregou-se. Comprou casas, comprou carros, comprou férias e mobílias. D. Banca dizia peçam, peçam. E o povo pedia, pedia. D. Banca dizia: casem-se, casem-se. E o povo casava, casava. E quanto mais casava, mais carros e casas queria, e mais D. Banca emprestava.

Era o tempo da abundância. D. Banca sorria de ver o povo no fausto e na glória. E, para que o povo pudesse gastar ainda mais, enviava-lhe pelo correio belos cartões de crédito, prateados, dourados, azuis, vermelhos, com cartinhas amáveis e prospectos coloridos que mostravam tudo quanto estava à mão dos felizes titulares. E o povo ia a Cuba, à República Dominicana, a Londres, a Praga, a Nova Iorque, o povo viajava e instruía-se com o doce dinheiro da D. Banca.

Até que um dia o D. Estado, líder supremo do país da D. Banca, veio a terreiro, pela voz do seu lacaio D. Governo, anunciar uma crise. As empresas faliam. O desemprego disparava. Os juros subiam. Veio D. Austeridade com os seus rigores. Veio D. Fisco com a sua peçonha. D. Estado pedia e o povo dava o que tinha e o que não tinha, senão ia parar à lista negra. E quando chegava a carta da D. Banca, não havia dinheiro para lhe pagar. D. Banca já não sorria. Rugia, amedrontava, maldizia. Confiscava casas, carros e mobílias. E o povo pensava coitada da D. Banca, deve estar numa aflição. E fazia o que podia, não comia, não bebia, para lhe poder dar a mão. Pobre D. Banca, um tão grande coração.

Mas quando, ao fim de um semestre, D. Banca saiu à rua, ninguém queria acreditar no que via ao contrário do país, estava gorda, luzidia. Mas que raio? - resmungou o povo. Nós para aqui a tinir e ela ali toda assoprada? E foi assim que o povo soube que D. Banca, afinal, nunca - mas nunca - lhe deu nada...

Fernando Marques escreve no JN, quinzenalmente, aos domingos
 
     



Visualização dos anexos:
1 de 3 anexos(s)

publicado por nuno1 às 14:52
link do post | comentar | favorito
|

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Junho 2008

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6
7

8
9
10
11
12

15
16
17
18
19
20
21

22
23
24
25
26
27
28

29
30


.posts recentes

. Bofetada

. A-pesar de tudo há motivo...

. E porque não?

. No país do oportunismo

. Assim vai o Diário de Not...

. Um exemplo

. É só promessas...

. E assim vai Portugal

. Andam animais à solta

. Perdoai-lhes..que não sab...

.arquivos

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

. Junho 2007

. Maio 2007

. Abril 2007

. Março 2007

. Fevereiro 2007

. Janeiro 2007

. Dezembro 2006

. Novembro 2006

. Outubro 2006

. Setembro 2006

. Agosto 2006

. Julho 2006

. Junho 2006

. Maio 2006

. Abril 2006

. Março 2006

. Fevereiro 2006

. Janeiro 2006

. Dezembro 2005

. Novembro 2005

. Junho 2005

. Maio 2005

. Abril 2005

. Março 2005

. Fevereiro 2005

. Janeiro 2005

. Dezembro 2004

.tags

. todas as tags

.links

blogs SAPO

.subscrever feeds