Terça-feira, 29 de Abril de 2008

E assim vai Portugal

os Barreirenses se indignarem....estamos nesse direito!!!!!!!
Médicos Espanhóis (Barreiro): venham mais... !!!!
 
TOCA A PASSAR AOS AMIGOS  -  DIVULGUEM !!!
 
Já entenderam bem, porque é que existem listas de espera?
 
Em 6 dias um médico espanhol operou tanto como 5 !!! médicos num ano e por metade do preço cobrado na privada.
Em seis dias, um oftalmologista espanhol realizou 234 cirurgias a doentes com cataratas no Hospital Nossa Senhora do Rosário, no Barreiro, num processo queestá a " indignar " aOrdem dos Médicos.
Os preços praticados são altamente concorrenciais, tendo sido esta a solução encontrada pelo hospital para combater a lista de espera. O paciente mais antigo já aguardava desde Janeiro de 2007, tendo ultrapassado o prazo limite de espera de uma cirurgia.
No ano passado chegaram a existir 616 novas propostas cirúrgicas em espera naquela unidade de saúde.
Os sete especialistas do serviço realizaram apenas 359 operações em 2007 (cerca de 50 por médico num ano).
No final do ano passado, a lista de espera era de 384 e foi entretanto reduzida a 50, com a intervenção do médico espanhol.
 
A passagem pelo Barreiro durante o mês de Março - onde garante regressar nos próximos dois anos, embora o hospital não confirme - foi a segunda experiência em Portugal do oftalmologista José Antonio Lillo Bravo, detentor de duas clínicas na Extremadura espanhola - em Dom Benito (Badajoz) e Mérida.
Entre 2000 e 2003 já havia realizado 1500 operações no Hospital de Santa Luzia, em Elvas, indiferente às "críticas" de que diz ter sido alvo dos colegas portugueses. " Eu percebo a preocupação deles e sei porque há listas de espera tão grandes em Portugal.  É que por cada operação no privado cobram cerca de dois mil euros " , diz ao Diário de Notícias o oftalmologista espanhol, inscrito na Ordem dos Médicos portuguesa, que cobrou 900 euros por cada operação realizada no Barreiro.
 
As 234 cirurgias realizadas no Barreiro, por um total de 210 mil euros, foi o limite possível sem haver necessidade de abrir concurso público internacional, sendo que o médico fez deslocar a sua equipa e ainda o microscópio e o facoemulsificador.
O hospital disponibilizou somente um enfermeiro para prestar apoio.
 
 
TENHAM VEGONHA, SENHORES "DÓTORES",
GOVERNANTES E POLÍTICOS DA NOSSA PRAÇA !!!
 
 
 
 
sinto-me:
publicado por nuno1 às 18:06
link do post | comentar | favorito
|
Terça-feira, 8 de Abril de 2008

Andam animais à solta

Abril 4, 2008

 

Apagando Fogos - Pedreira E Rodrigues Pelo Norte

 

Posted by Paulo Guinote under Avaliação, Ponto da Situação
[52] Comments 

 

Eis o relato de uma das pessoas presentes na reunião em que a Ministra e o Sr Pedreira foi ao Norte tentar «domesticar» eventuais focos de resistência à implementação do novo modelo de avaliação:

 

Vou colocar-vos mais ou menos a par das CINCO horas de reunião... cheguei há pouco e sem apetite, sequer, para comer, e já pouca capacidade tenho para reflectir, por isso perdoem qualquer coisinha:

 

  1. Presença de Jorge Pedreira, que esteve uma hora a apresentar o 2/2008, como se ninguém o conhecesse!!!! ficou tudo já à beira de um ataque de nervos;

     

  2. Entretanto, chegou a ministra... quem já esteve noutras reuniões com ela, confirmou que se apresentava muito mais conciliadora, compreensiva, muito mansa.... umas das pérolas que disse, no meio de toda a sua infinita compreensão, é que 'ninguém pode dizer que os professores titulares são os que têm mais mérito'... Lá do fundo eu exclamei logo, que ela mesma o tinha dito (não, não me ouviu... o ruído foi muito) - afirmou que compreendia (pois...) que muitos pusessem em causa a credibilidade dos seus avaliadores, por essa razão, mas tal não se aplicava a todos os casos, que aquele tinha sido um concurso, que a partir de agora seriam avaliados e, mesmo esses titulares, poderiam estar sujeitos a avaliações menores... em todo o caso, tanto ela como o secretário disseram que o executivo podia, de acordo com a sua autonomia (!), dispensar um titular que considere não oferece garantias nem inspira confiança nos colegas (não... não me perguntem mais nada! o espanto foi geral e objectivamente não responderam às objecções levantadas)

     

  3. Mesmo a questão de uns professores estarem sujeitos a avaliação externa dos exames e outros não.... 'as escolas podem desenvolver outros mecanismos que considerem necessários para a ferir com justiça'.... ou seja, podem até escolas agrupar-se e realizar exames aos restantes, partilhando a experiência (lindo, não é?!?!?!....)

     

  4. Até ao fim desta semana (sim, a ministra disse saber que hoje é quinta) sai o despacho com as orientações para a simplificação, que não ficou, mesmo assim clara... as escolas podem sempre decidir.... há uns mínimos... os itens podem ser reduzidos/compactados para um, mas não se pode mexer nos parâmetros ou subparâmetros (mas depois já dizia que sim... sei lá!) e pode haver observação de aulas, se se entender, enfim.... dizem que não podem impor um modelo, já que há escolas que têm o processo a decorrer e não lhes podem dizer que está tudo errado... e É VERDADE!!! houve uma artista que apresentou a sua preocupação, pela falta de tempo no caso dos contratados, porque entende que os coordenadores devem também avaliar e que, pelo menos, deve observar duas aulas - já tinha reunido com os contratados, já tinham acordado tudo isso, mas não tinha tempo! (cá para mim queria que prolongassem o calendário escolar até Agosto!)

     

  5. Quotas e impedimentos... pois, parece que nos vão tirar o tapete: sairá o despacho em breve (tem que ter a assinatura da ministra e do ministro das finanças), mas 'a questão dos interesses está a ser acautelada'. Mais ainda, as quotas estarão distribuídas, não por departamentos, mas por grupos: contratados, professores dos quadros, professores titulares. Creio que, deste modo (mas já não me sinto capaz de pensar escorreitamente) elimina a questão dos interesses, não? A bolsa é diferente...

     

  6. Certamente há muito mais, mas já nem me ocorre. Deixo-vos só outra pérola, agora do Pedreira: 'o ministério não está disposto a apadrinhar uma avaliação de faz de conta. Não há renovação de contrato nem progressão sem avaliação. A lei é clara e só pode ser alterada por decreto lei... nem este governo, nem outro futuro, o fará'!!!!

     

Pronto... que me dizem?!?!?!

 

 

 

 


Resumo da reunião dos dois secretários de estado com os PCEs de Lisboa

 

 

 

 

 

sinto-me:
publicado por nuno1 às 21:02
link do post | comentar | favorito
|
Sexta-feira, 4 de Abril de 2008

Perdoai-lhes..que não sabem o que fazem

Geração do Ecrã

Aqui vos mando um excelente texto de Alice Vieira sobre o caso da agressão
à professora do liceu Carolina Michaelis.
 
Contudo, gostaria de deixar alguns pontos para reflexão:

1.º - Em termos políticos e no sentido lato é incrível o que esta geração
de políticos pós-25 de Abril (de todos os quadrantes políticos sem
excepção) conseguiu fazer da 'Família' e do 'Sistema de ensino'.

2.º - A escola passou a ser apenas um local onde se deixam os filhos
enquanto os pais vão trabalhar, para ganhar baixos salários e para que
cerca de 25% dos mesmos seja destinado ao crédito à habitação (que dá
lucros fabulosos à banca);

3.º - A família pouco tempo tem para os filhos e, por isso, para não se
aborrecer abdica de ensinar as regras básicas de convívio em sociedade,
criando verdadeiros meninos mimados e egoístas que só pensam nas pessoas à
sua volta em função daquilo que lhes podem dar.

4.º - Em sentido restrito, nesta situação concreta da agressão à
professora, é lamentável o silêncio da Ministra da Educação e,
curiosamente, dos dirigentes da FENPROF. Quando é para o regabofe, para
dizer mal (a primeira, dos professores; os segundos, das políticas de
educação) logo estão eles a dar a cara e a aparecer na televisão. Agora que
houve barraca e que é necessário defender a única vítima disto tudo (a
professora, de 60 anos, agredida e humilhada), simplesmente remeteram-se ao
silêncio e não apareceram.

5.º - A ministra tem criado polémica mas diz que as mudanças são para ter
alunos melhor preparados para enfrentar o futuro e 'os desafios da
globalização' . Contudo, contrariamente ao afirmado, aprova políticas que
vão conduzir exactamente no sentido contrário: desautorização dos
professores; elevação do nível de escolaridade à custa do facilitismo. Não
deveria ser exactamente o contrário? Não se deveria ser mais exigente e
mesmo reprovar alunos quando estes não estão preparados?

6.º - Uma palavra para o jornalismo pimba (principalmente da televisão
oficial do regime, a RTP, entenda-se) que repetiu exaustivamente as
imagens, num desrespeito por todos os envolvidos, em vez de cumprir o seu
papel e confrontar a Ministra, os sindicatos e os demais intervenientes no
sistema de ensino.

7.º - Com toda esta panóplia de factos e na constante tentativa política de
destruir o sistema de ensino público, não tenho dúvidas de que graças à
política da 'má educação', o futuro de Portugal estará hipotecado.


Agora leiam o texto da Alice Vieira, que é o mais importante.


     Desculpem se trago hoje à baila a história da professora agredida
     pela aluna, numa escola do Porto, um caso de que já toda a gente
     falou, mas estive longe da civilização por uns dias e, diante de tudo
     o que agora vi e ouvi (sim, também vi o vídeo), palavra que a única
     coisa que acho verdadeiramente espantosa é o espanto das pessoas.

Só quem não tem entrado numa escola nestes últimos anos, só quem não
     contacta com gente desta idade, só quem não anda nas ruas nem nos
     transportes públicos, só quem nunca viu os 'Morangos com açúcar', só
     quem tem andado completamente cego (e surdo) de todo é que pode ter
     ficado surpreendido.

Se isto fosse o caso isolado de uma aluna que tivesse ultrapassado
     todos os limites e agredido uma professora pelo mais fútil dos
     motivos - bem estaríamos nós! Haveria um culpado, haveria um castigo,
     e o caso arrumava-se.

Mas casos destes existem pelas escolas do país inteiro. (Só mesmo a
     sr.ª ministra - que não entra numa escola sem avisar…- é que tem
     coragem de afirmar que não existe violência nas escolas…)

Este caso só é mais importante do que outros porque apareceu em
     vídeo, e foi levado à televisão, e agora sim, agora sabemos
     finalmente que a violência existe!

O pior é que isto não tem apenas a ver com uma aluna, ou com uma
     professora, ou com uma escola, ou com um estrato social.

 Isto tem a ver com qualquer coisa de muito mais profundo e muito
     mais assustador.
Isto tem a ver com a espécie de geração que estamos a criar.

Há anos que as nossas crianças não são educadas por pessoas. Há anos
     que as nossas crianças são educadas por ecrãs.

 E o vidro não cria empatia. A empatia só se cria se, diante dos
     nossos olhos, tivermos outros olhos, se tivermos um rosto humano.

E por isso as nossas crianças crescem sem emoções, crescem frias por
     dentro, sem um olhar para os outros que as rodeiam.

Durante anos, foram criadas na ilusão de que tudo lhes era
     permitido.

Durante anos, foram criadas na ilusão de que a vida era uma longa
     avenida de prazer, sem regras, sem leis, e que nada, absolutamente
     nada, dava trabalho.

E durante anos os pais e os professores foram deixando que isto
     acontecesse
.

A aluna que agrediu esta professora (e onde estavam as
     auxiliares-não-sei-de-quê, que dantes se chamavam contínuas, que não
     deram por aquela barulheira e nem sequer se lembraram de abrir a
     porta da sala para ver o que se passava?) é a mesma que empurra um
     velho no autocarro, ou o insulta com palavrões de carroceiro (que me
     perdoem os carroceiros), ou espeta um gelado na cara de uma (outra)
     professora, e muitas outras coisas igualmente verdadeiras que se
     passam todos os dias
.

A escola, hoje, serve para tudo menos para estudar.

A casa, hoje, serve para tudo menos para dar (as mínimas) noções de
     comportamento
.

E eles vão continuando a viver, desumanizados, diante de um ecrã.

E nós deixamos.

     In Jornal de Notícias, 30.3.2008








 



publicado por nuno1 às 18:58
link do post | comentar | favorito
|

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Junho 2008

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6
7

8
9
10
11
12

15
16
17
18
19
20
21

22
23
24
25
26
27
28

29
30


.posts recentes

. Bofetada

. A-pesar de tudo há motivo...

. E porque não?

. No país do oportunismo

. Assim vai o Diário de Not...

. Um exemplo

. É só promessas...

. E assim vai Portugal

. Andam animais à solta

. Perdoai-lhes..que não sab...

.arquivos

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

. Junho 2007

. Maio 2007

. Abril 2007

. Março 2007

. Fevereiro 2007

. Janeiro 2007

. Dezembro 2006

. Novembro 2006

. Outubro 2006

. Setembro 2006

. Agosto 2006

. Julho 2006

. Junho 2006

. Maio 2006

. Abril 2006

. Março 2006

. Fevereiro 2006

. Janeiro 2006

. Dezembro 2005

. Novembro 2005

. Junho 2005

. Maio 2005

. Abril 2005

. Março 2005

. Fevereiro 2005

. Janeiro 2005

. Dezembro 2004

.tags

. todas as tags

.links

blogs SAPO

.subscrever feeds